PENTA À VISTA!

Tetracampeã intermunicipal, Itamaraju quer se manter tão alto quanto seu principal ponto turístico: o Monte Pascoal

Itamaraju vence o Intermunicipal de 2019 e repete feito de 2001, 2004 e 2018. (Foto: Prefeitura de Itamaraju)

O Intermunicipal já existia quando Itamaraju ainda era um pedaço de terra pertencente ao município de Prado, no Extremo Sul baiano. Enquanto a cidade conquistava sua emancipação, em 1961, Itabuna já era tetracampeã da maior competição amadora do país. O tetra agora pertence justamente ao Itamaraju, atual campeã intermunicipal de 2019.

Apesar de nova na condição de cidade, Itamaraju é mais antiga do que parece. Bem mais, na verdade. É no território do atual campeão baiano que está o Monte Pascoal, primeira porção de terra vista pelos portugueses, em 1500. Da famosa “terra a vista!” ao atual título no futebol baiano, como um município com pouco mais de 60 mil habitantes se tornou a principal força do Campeonato Intermunicipal?

Novamente contra o Itapetinga, Itamaraju conquistou mais um troféu vencendo o rival nos pênaltis, fora de casa, após empate em 1 a 1 no tempo normal, repetindo o feito de 2018. Agora, a seleção sulista acumula os títulos de 2002, 2004, 2018 e 2019.

Apesar de nova na condição de cidade, Itamaraju é mais antiga do que parece. Bem mais, na verdade. É no território do atual campeão baiano que está o Monte Pascoal, primeira porção de terra vista pelos portugueses, em 1500. Da famosa “terra a vista!” ao atual título no futebol baiano, como um município com pouco mais de 60 mil habitantes se tornou a principal força do Campeonato Intermunicipal?

O primeiro passo foi resgatar um treinador campeão. Técnico do primeiro troféu, em 2002, Beto Oliveira retornou à seleção em 2018. Conquistou o título daquele ano, teve seu contrato renovado e faturou o bicampeonato seguido no Intermunicipal.

Beto Oliveira repete feito de 2001 e 2018 e fatura o Intermunicipal de 2019 com o Itamaraju (Foto: Prefeitura de Itamaraju)

“Conquistamos dois títulos seguidos, mas com dois times distintos. Mantivemos a comissão técnica, mas nenhum atleta que conquistou 2018 ficou para 2019. Foi um outro time, começado do zero. Mesmo assim deu certo. Escolhemos os atletas certos e repetimos o sucesso”, garantiu Beto.

Curiosamente, a reformulação do elenco teve um repertório cheio de trama e traições. Segundo o presidente da Liga de Itamaraju, Rodrigo Pão e Mel, o elenco de 2018 já estava apalavrado para renovar. Porém, o outro finalista daquele ano, Itapetinga, levou todo mundo para lá. “Tínhamos dado a palavra que renovaríamos, mas só poderíamos pagar em maio de 2019. Os atletas pediram luva, tudo. Igual ou pior que o futebol profissional. Perdemos eles para nosso rival Itapetinga, mas fomos campeões de novo. E eles, vices”, disse Rodrigo.

Outro desafio foi conquistar a confiança da população local. Com o título de 2018, a exigência da torcida era forte. Até torcida organizada ressurgiu para dar aquela pressão que só time grande tem. Fundada em 2014, a TOMA (Torcida Organizada Mancha Azul) deu um toque especial nas arquibancadas e, claro, na pressão pela conquista do título de 2019.

A torcida de Itamaraju acompanhou a seleção na maioria das cidades baianas em 2019 (foto: Ligeirinho do Esporte / FBF)

“A torcida aqui é diferente. É a mesma pressão de um clube de futebol. Aqui a Mancha Azul torce, pressiona e tem projetos sociais durante todo ano, sempre focados nos menos favorecidos. Eles possuem mais de 200 integrantes e não faltam nem treino. Os jogos aqui sempre tiveram casa cheia. É complicado treinar lá. Eu, que conquistei três títulos pela cidade, também sofro pressão, mas estou acostumado. Tem que jogar bonito e vencer”, lembra Beto.

O TOMA também se fez presente nos jogos fora de casa, principalmente nas fases finais. No jogo de ida na final de 2019, foram 2 ônibus e uma van para Itapetinga. Segundo a torcida, foram mais de 7 mil quilômetros percorridos durante a última edição.

Com o fim do Intermunicipal, as atividades da seleção diminuem e as competições locais começam. Elas também servem de peneira para o grande objetivo do Itamaraju: o penta. Só este ano, nove atletas de competições locais fizeram parte da seleção, dois deles como titular.

A pré-temporada começa em maio de 2020 e a ideia é manter a mesma comissão técnica. “Fizemos a proposta para a comissão técnica e vamos tentar fechar o quanto antes. O pessoal da capital não tem ideia de como o Intermunicipal é importante. Aqui é como uma Copa do Mundo. As cidades que não possuem times profissionais respiram a competição. Com ajuda do poder público, recolocamos Itamaraju no mapa do futebol novamente. E não sairemos mais”, completa Rodrigo Pão e Mel, que leva o nome da padaria que tem em Itamaraju, o point da boleirada. Porém, ele garante que só bebem café lá…

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*