O REI DO INTERMUNICIPAL

Técnico Beto Oliveira conquista mais um título municipal, o terceiro pelo Itamaraju. Na conta pessoal, são seis canecos

Beto Oliveira acumula seis títulos intermunicipais como treinador, incluindo as últimas três edições. (foto: Prefeitura de Itamaraju)

Com poucos registros históricos sobre o Campeonato Baiano Intermunicipal, é difícil cravar que o técnico Beto Oliveira é o maior campeão da maior competição de futebol amador do país. Porém, não há dúvida que ele já faz parte do hall dos maiores comandantes do certame. Atual campeão do Intermunicipal 2019 pelo Itamaraju, Beto já acumula seis títulos. Para contar a história do treinador, melhor fazer isto de trás pra frente.

Nas últimas três edições, todas tiveram o dedo do treinador. Em 2017, Beto Oliveira foi campeão pelo Eunápolis. Em 2018, foi contratado pelo Itamaraju, onde também conquistou o título, se repetindo na edição passada. Este tricampeonato retomou o caminho das vitórias do rei do Intermunicipal. Seu último título tinha sido em 2010, pelo Porto Seguro. Seu primeiro título na carreira foi justamente na competição amadora, em 2001, pelo Coaraci. Em 2004, a conquista foi com a sua atual seleção, Itamaraju.

“Não posso negar que minha história no Intermunicipal é bonita. Meu primeiro ano já foi com título, mesmo com pouca experiência. A partir deste título corri em algumas seleções municipais, além de clubes do futebol baiano e de outros estados. Porém, nunca abandonei o Intermunicipal. É a competição mais difícil de vencer. Imagine que são mais de 60, 70 equipes buscando o mesmo troféu. É preciso muita dedicação, muitas vezes mais que o profissional”, garante Beto.

Comissão técnica campeã: Lion, Tiago Pereira, Beto Oliveira, Jhon Sucker e Tamandaré

O treinador sempre valorizou o Intermunicipal, mesmo quando esteve no futebol profissional. Após o título amador de 2001, o Itabuna contratou Beto para a disputa do Campeonato Baiano da segunda divisão, em 2002. Sem recursos, o treinador profissionalizou a maioria dos atletas da seleção campeã do ano anterior, o Coaraci. Acabou campeão invicto e subiu o clube para a elite do futebol baiano. O comandante também treinou outros clubes baianos como Colo-Colo, Igrapiúna e Conquista, além de outros clubes do Espírito Santo e Paraná.

Apesar da história no Intermunicipal, a vida de treinador na competição não é fácil. Após o término da competição, a maioria das seleções encerram as atividades, retornando apenas em maio do próximo ano. “Depende muito do interesse da liga municipal. Quando existe uma conversa, é renovado o contrato, mas diferente do que acontece na pré-temporada. É um contrato de manutenção do trabalho. Tenho a liberdade de trabalhar em clubes profissionais, principalmente na segunda divisão do estadual, o que ajuda no primeiro semestre que antecede o Intermunicipal”, conta Beto.

Para 2020, o Itamaraju já fez uma proposta para o treinador, que ainda não respondeu. Outras seleções também estão interessadas no técnico, principalmente pela visibilidade que a cidade terá, em caso de título, em pleno ano de eleições para prefeito.   

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*