Medalhões interrompidos

Sem futebol, grandes nomes dos clubes baianos se despedem

O ano de 2020 foi frustrante para o futebol baiano. Apesar de poucos jogos no estadual, alguns clubes assumiram o peso de atrair sua torcida com atletas veteranos ou medalhões que enriqueceriam ainda mais a curta e deficitária competição. Pois bem. Por conta da pandemia do coronavírus, o certame foi interrompido restando duas rodadas para o fim da primeira fase e os grandes nomes começaram a deixar seus postos.

No Conquista, a grande esperança estava no homem-gol Nonato. O atleta atuou em seis dos sete jogos do Bode e marcou 2 gols. Os conquistenses foram os primeiros a dispensarem todos os atletas, mesmo com a vaga na Série D do Brasileirão garantida. “Tomamos nossas providências. O mais prudente é aguardar novas orientações e informações do que vai acontecer com nosso calendário. A Série D estava programada para começar em maio, mas não sabemos. O nosso setor do futebol está desativado, apenas funcionando o administrativo. Vamos pensar como será feito este novo grupo para a próxima competição, mas optamos pelo desligamento da maioria dos atletas”, assegurou o presidente do Bode, Ederlane Amorim.

No Flu de Feira, os atletas foram dispensados, incluindo o artilheiro do Baianão 2020, Marcelo Nicácio, com 8 gols em sete jogos, sem dúvida o melhor medalhão no quesito custo benefício. Perto de completar 50 anos de existência, o Atlético de Alagoinhas esperava um ano mais glorioso. O Carcará coçou o bolso e trouxe o atacante Magno Alves. Foram quatro jogos e um gol até a parada forçada. O aniversário do clube seria no dia 2 de abril, mas a festa foi cancelada, assim como o contrato dos atletas, congelados por 90 dias. O clube está na Série D e ainda não sabe se manterá o medalhão para o restante da temporada.

Sem calendário definido para o restante da temporada, a Juazeirense investiu pesado no elenco, trazendo o zagueiro Kanu. O xerife atuou em todos os sete jogos do time, marcando um gol. Entretanto, não deve mais vestir a camisa do representante de Juazeiro, que adiantou o fim do contrato de todos os seus atletas profissionais. Mesmo com a parada forçada, Kanu entende e não descarta um retorno futuro. “Aqui encontrei um excelente grupo de jogadores formado por homens e uma diretoria correta. Fico triste por saber que a nossa caminhada em busca do título foi interrompida dessa maneira. Mas, quem sabe, num futuro próximo esteja de volta a essa terra tão acolhedora”, disse.

No Bahia de Feira, o atacante Marquinhos era o nome mais esperado para o restante do Baianão. O ex-atleta do Vitória estava se preparando bem e esperava entrar mais tempo nos próximos jogos. O atleta fez apenas um jogo e estava melhorando o condicionamento físico. Porém, no caso do Tremendão, os jogadores estão mais esperançosos. O presidente do clube, Jodilson Souza, garantiu que vai manter a equipe e não medirá esforços para cumprir o pagamento de todo quadro. O clube está na Série D do Brasileirão.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*